terça-feira, 3 de março de 2009

O jogador da madrugada

INFERNO!- Começa assim a história, ou melhor, a jornada, ou ainda diria mais,a missão , e por que não dizer a saga, a odisseia, e epopéia, a onomatopéia (acho que ai foi feita uma pequena confusão pela terminação da palavra), de Olino- sim, Olino é o nome. Sua mãe acreditou ter a vida salva por um vidro de Olina enquanto o esperava em sua barriga, daí a homenagem.- Pois bem, me perdi em devaneios mas a história de Olino merece atenção especial.
-Inferno! Não aguento mais essa vida cheia de dívidas, contas, prestações e alugueis atrasados. Como seria bom Bonácio, se eu tivesse dinheiro, se eu...se eu...eu ganhasse na loteria.

Tudo começou em um bar, alias como a maioria das boas histórias, depois de algumas quantas garrafas de cerveja,.
-É isso Bonácio, vou jogar na mega sena. Quero ser rico. Vem “homi” vamos catar um lotérica aberta.
- Mas Olino, já passa da meia-noite.
- Eu to com aquela sensação boa, minha unha encravada ta doendo, quer dizer, não que seja uma sensação boa, mas normalmente é sinal de sorte, entende? Se não for hoje, nunca mais ganho.
- Olino, tu tem certeza...- Bonácio parou de falar quando viu que Olino já estava longe. Não podia abandonar seu melhor amigo , e la se foi ele, atrás do jogador das madrugadas.

Bonácio correu, correu e correu, mas não alcançava Olino, inclusive, se perguntou como um homem com a unha encravada podia andar tão rápido. Essa é a superação da vida, meu caro Bonácio (filosofia especial do autor).
Finalmente Bono (simplifiquemos assim) conseguiu alcançar Olino (simplificado seria pior), porém, os dois andavam, sem rumo, andando ao esmo, até quem sabe, por uma obra do destino encontrarem uma agencia lotérica aberta naquela hora.
Havia começado há mais de meia hora sua caminhada, e nada da tal lotérica. Eis que de repente, Bono olha pra traz e vê três homens bem suspeitos andando rapidamente atrás dos dois. Bono cutuca Olino e os dois correm. Correm louca e desesperadamente, até que o trágico acontece, os três indivíduos alcançam nossos heróis.
Os dois param, horrorizados, e os três rapazes olham pra eles com cara de decepção:

- Viu Ernesto, eu disse que não eram eles- bradou um deles.
Depois da frase proferida, os três rapazes explicaram que confundiram Bono e Olino, com uma dupla sertaneja que despontava no momento, Getúlio e Varlêi.
O mal entendido se desfez, e para a sorte dos dois, tudo deu certo, aliás, nada eu certo, pois a maldita casa lotérica ainda não aparecera.
Bono desconfiava que já tinha andado cerca de 120 quilômetros, e nada da desgraçada lotérica. Eis que surge, em face de maior encanto... (ta, não vou usar palavras tão requintadas ao me referir a uma mera casa de apostas)...porém, ela estava lá, imponente e austera. Uma miragem pensaram os dois, mas não, era real.

Andaram, ao som imaginário da canção da vitória (do Ayrton Senna)... pam pam pam...pam pam pam pam pam...
- Mas que merda cara, por que infernos uma casa lotérica fecha à...à.. 1h e 15min da madrugada -disse Olino.
- Eu te disse meu velho, eu te disse, desiste disso, além do mais, uma coisa que exija tanto sacrifício, não deve ser algo bom.
- É mesmo Bonácio, tu tem razão, desistoOs fiéis amigos vão pra casa conversando, e Olino revela em quais números apostaria caso localizasse uma casa lotérica:- 01, 17, 23, 36, 54, 59. Esses são os números Bono, mas enfim, não há de ser nada.Olino chegou em casa, dormiu, acordou, foi ao trabalho, e esqueceu a jogatina, afinal, se não fosse naquela noite, não seria mais.

Depois de o resultado da loteria, acumulada em mais de 10 milhões de reias, ter sido divulgado, Bono apareceu morto em sua casa, morte natural, diziam os amigos. Sabe-se que, conhecidamente ou não, os números da sorte naquele dia foram 01, 17, 23, 36, 54, 59, e Olino nunca mais foi visto.

2 comentários:

Marco H. Strauss disse...

Muito bom cara! Vou guardar os números para uma futura aposta. Huhuhuhu

Abraço!

Fredi_Bazzan disse...

que afude meu... eu n tinha lido essa do Olino ainda...aliás, que belo nome...grande homenagem de sua amada mãe. hueiheiuee