terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Outro dia, depois de muito tempo, visitei a biblioteca municipal de Gramado e, como desde que lembro ter tomado-me por gente, os livros fizeram parte da minha vida, encontrei perdidos alguns dos livros que fizeram parte da minha infância. A prova está aí, que, no nome da minha mãe “Eloisa Bertolucci”, eu retirava livros com apenas nove aninhos.



2 comentários:

Frederico B. Oaigen, disse...

Perceba que é um livro muito retirado na biblioteca municipal.
Em quase 15 anos, saiu 5 vezes, sendo 3 delas para Eloísa Bertolucci. =P
Mas é muito bacana constatar esse teu gosto pela leitura desde a época em que tudo o que eu fazia era quebrar canos em festas de aniversário. =P
Mais uma vez, perdão!

Ricardo Bertolucci Reginato disse...

É Fredi, meu velho! Infelizmente a juventude não dá mais valor aos grandes clássicos da literatura mundial. Tivéssemos lido a Cabana do Pai Tomás, todos, certamente pensaríamos nas coisas de uma forma diferente. É a vida.
Quanto ao cano, eu posso perdoar, mas esquecer jamais! hahahaha
Abraço