quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Que Samuel?



Foi num almoço qualquer, de um dia qualquer, em uma ocasião qualquer. O que se sabe apenas é que aconteceu em uma cidade de interior, onde quase todos se conhecem e onde todos sabem da vida de todos, antes mesmo dos respectivos donos de suas próprias vidas saberem.
         
          - Sabe o Geraldo?
    - Qual Geraldo? O filho da Dionete?

    - Não, não. O Geraldo casado com a Taís, que é irmã do Tomás.

    - Mas então, a mãe do Geraldo é a Dionete.

    - Não, a mãe do Geraldo é a Janete. A Dionete é irmã dela, mãe da Samara e do Felipe, sabe?

    - Ah sim, a Samara casada com o Tadeu?

    - Não, a Samara tem cinco anos.

    - Ah é. Mas e o Geraldo?

    - Que Geraldo?

    - O Geraldo filho da Janete, casado com a Taís.

    - Ah sim. Pois é, encontrei ele outro dia, e sabe o que ele me falou?

    - O que?

    - Que a Dominique, sabe a Dominique?

    - Não.

    - A que mora ali do lado do Jorge que arruma as máquinas de lavar roupa. Acho que a mãe dela era casada com o Cirilo, da van.

    - Ah sim. Sei sim, ela é meio prima daquele tiozinho do bigode que veio lá de Alegrete.

    - Isso!

    - Tá, e o que tem a Dominique?

    - Que Dominique?

    - A Dominique que o Geraldo te falou.

    - Ah sim, pois é, ele comentou que ela tá grávida do Samuel.

    - Que Samuel?

    - O Samuel que era casado com a Diana. Filho da Clotilde. Ele tem uns 30 anos e mora com ela ainda. Moram ali perto do cemitério, sabe?

    - Samuel, Samuel...não sei se to lembrado.
    - Tu deves conhecer. Ele é um baixinho, meio gordinho, tem um carro preto, bem novinho.

    - Sabe o que eu tava pensando, mãe?

    - O que, Samuel?

    - Que eu acho que eu me lembrei bem da Dominique.

    - Que Dominique? - pergunta dona Clotilde, mãe do Samuel que engravidou a Dominique, cuja mãe era casada com o Cirilo dono da van.

4 comentários:

Júnior Ghesla disse...

Primeiro: ao conseguir desenrolar essa teia que tu mesmo criaste, já prova que é um baita escritor...
Depois, posso dizer que realmente, quando começamos a tentar descobrir quem é quem na grande família humana, dá pra confundir quem somos nós mesmos...
Parabéns Ricardo, baita texto!

Frederico B. Oaigen, disse...

Cara, que texto mais foda!
hahahaa

Muito tri a historinha imitando a vida real.

Parabéns, cara, muito bom mesmo!

Vinícius Schneider disse...

que lindo nó brother! haha

Isa Bertolucci disse...

Esse guri é mesmo o máximo!!!!