segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

O Fazedor de Planos

A história de um homem que mudou por uma mulher

Antes mesmo de sair da cama ele já traçava os planos de como seria o seu dia. Mesmo que involuntariamente pensava: “saio da cama, e ainda sonolento vou até o banheiro onde escovarei os meus dentes, lavarei o rosto e resumidamente farei minha higiene pessoal. Depois disso, coloco a roupa que ontem já deixei separada. Ai vem meu café da manhã, que hoje será cereal com bananas. Feito isso, saio rumo ao meu trabalho, hoje vou a pé, pois o dia está bom e, pensando bem, nem é tão longe. Se bem que eu sempre vou a pé. Bom, hoje vou a pé de novo, não quero gastar com transporte...”. Tudo metódico, e as reticências dão lugar a mais centenas de pensamentos que colocam em ordem o dia dele. Nada sem programação, tudo muito bem organizado, que vida ele leva.

Até chegar no trabalho, é tudo igual. Ele conta quantos passos foram dados de um destino ao outro, por vezes variando ao contar o número de janelas nos edifício de cor azul que encontra no caminho, ou ainda conta quantos minutos, segundos, milésimos e centésimos demora a chegar. De fato, ele leva uma vida metódica, cheia de regras e com muito, mas muito pouca diversão.
Ao chegar no trabalho, separa tudo conforme as cores: post it's amarelos ficam junto da caneta marca texto da mesma cor, bem como as folhas de ofício ficam junto do calendário da Caixa Federal que em geral tem a mesma cor. Tudo é de uma simetria constante, que a todos irrita, menos a ele mesmo. Até aquele dia a vida dele fora a mesma, sem exceções à regra, sem pormenores, sem entrelinhas, sem nada que fosse interessante. Nada de mais, nada de menos, tudo sincronizado, uma vida regrada, em um mundo desregrado pode ser e geralmente é de uma chatice entediante. Mas ele estava feliz, pois assim ele é, e assim as coisas não podem dar errado em sua vida, pois não há nada que lhe chame atenção, além de seu próprio mundinho. Aqui cabe uma pequena correção no tempo verbal, portanto refarei a frase escrita anteriormente: “...não havia nada que lhe chamasse atenção...”. Nada lhe chamava a atenção até ela aparecer.
Dentro daquela saia apertada, desfilando suavemente, como orvalho em uma manhã de outono, macia, e delicada, com o cabelo liso, preso de forma tão contundente, e ao mesmo tempo tão provocativa. Ninguém poderia resistir, nem mesmo ele, que pela primeira vez na vida, provou o gosto de ser homem, com seus sentidos, e seus desejos. Ele enfim desejou alguém. Desejou-a fervorosamente, e por alguns minutos esqueceu-se de métodos, planos, contagens...esqueceu-se de qualquer coisa que não fosse aquele rosto angelical, e aquele corpo devidamente proporcional. Sim, ele agora tinha um novo motivo pelo qual viver e dedicar-se-ia a ele de forma resoluta e contundente, pois ela significava uma razão pela qual viver. Razão essa que até hoje ele não tivera.
Mudou da água para o vinho. Tornou-se outro homem, um exemplo simples de como uma mulher transforma um ser humano. Comprou roupas de grife, e não saia mais de casa sem borrifar o seu Kouros duas vezes no corpo. Aprendeu sobre vinhos e leu centenas de livros sobre gostos femininos e como encantar a conquistar uma mulher. Cozinhar agora também era um de seus afazeres prediletos. Não que fosse metódico para conquistá-la, mas queria que tudo desse certo, pois ela era o grande amor de sua vida.
Convidou-a para jantar, ele faria a janta, escolheria o vinho e prometeu a ela uma noite inesquecível. Aprendera isso nos livros que leu e havia anotado mentalmente (prometa coisas divinas, instigue a mulher em questão. A faça achar que será tratada como única e especial, e de fato a trate assim. Com isso e um pouco de talento, você deve conquistá-la). Fez isso. A janta foi um sucesso, preparou belos camarões rosa, não sem antes se certificar de que ela gostava de frutos do mar. Escolheu um bom vinho branco para acompanhar o prato, e concedeu-a uma noite singular. Ela fora arrebatada pela sua cordialidade, seu fino trato, sua perspicácia com as palavras. Ele foi um verdadeiro cavalheiro e ela não poderia ir embora sem antes dar-lhe um prêmio por isso. Ela beijou-lhe. Primeiro timidamente, como se tivesse medo que a recíproca não fosse verdadeira. Ela a tomou nos braços, de forma suave no começou. Depois ela beijou-lhe com maior fervor, com mais calor e ele estreitou os braços em torno da cintura dela. Tudo foi ficando quente, e em poucos minutos eles estavam na cama.

Essa história mostra o quanto um homem pode mudar por uma mulher. O quanto um homem pode tornar-se melhor por uma mulher, e o quanto vale a pena mudar por uma mulher...

Ali, na cama, ele beijou o seu pescoço, lambeu-lhe vagarosamente os seios, e passou com as mãos por cada ponto sensível e erógeno do corpo dela. Ele saiu-se verdadeiramente bem e, após entender que a havia conquistado ainda em meio ao calor do sexo bem feito, pensou mentalmente: “depois da penetração, vou pegar firme suas duas mãos, e imobilizá-la, para que veja que estou no comando. Depois disso, vou beijar-lhe a nuca. Contou uma, duas, três vulgares estocadas, e repetiu baixinho no ouvido dela: na quadragésima, eu quero de quatro”.
… um homem pode mudar por uma mulher, mas não se engane companheiro, ou nesse caso, companheira, geralmente, não é para sempre.

8 comentários:

Michele disse...

De todos os seus contos, este foi o que mais gostei. Ele ficou, como chamamos informalmente no curso de Letras,"redondinho". Começou e terminou perfeito,interessante e coerente. Gostei!
Com relação a moral da história: concordo plenamente. Ninguém deixa de ser o que é por muito tempo... muito menos por uma mulher.

Genial, Ricardo!

Um abraço

Ricardo Bertolucci Reginato disse...

Obrigado, Michele!

No curso de letras a ideia é ser coerente, né? Talvez essa seja minha maior dificuldade, pois no curso de Publicidade ensinam-nos exatamente o contrário. hahaha.
Enfim, mais uma vez obrigado.
E quanto às mudanças, é difícil que se mude por completo, pode até haver mudanças e por vezes é fundamental que elas existam, mas não em tudo e não para sempre.

Beijo

Michele disse...

Ih, Ricardo... pelo contrário. A faculdade de Letras nos ensina a ser subjetivos e confusos. rsrs
Inclusive, existe uma área de Mestrado chamada de "Linguagem, identidade e subjetividade"... Mas esta é outra história. rs

Ricardo Bertolucci Reginato disse...

A subjetividade é uma arte. Eu, por vezes, valho-me dela. Mas, geralmente, sem sucesso. :p

Michele disse...

No que não digo, é que melhor me expresso. Não é assim?

Agora fui.
Boa semana. :)

Ricardo Bertolucci Reginato disse...

Exato! Algumas coisas não precisam ser ditas, e geralmente essas são melhor entendidas.

Ok,
Beijos e boa semana pra ti também.

Nat Souza disse...

Por Deus, que lindo! Nem sei o que dizer, adorei e adorei e adorei.

Cláudia Vieira disse...

Muito Bom..parabens..interessante do inicio ao fim...Showww msmoooo!