segunda-feira, 26 de outubro de 2009

De Nelson Rodrigues à terapia

Tudo começou na livraria, enquanto Nunes analisava um exemplar de “As mulheres gostam de apanhar”, de Nelson Rodrigues. Marta apenas o analisava, de olhos fixados hora na capa do livro, hora nos olhos de Nunes, que debruçavam-se timidamente nas páginas da obscenidade conjugal e cultural de Rodrigues.

Nunes distraído que era, se quer destinou um único e isolado olhar à Marta, que nem de longe era uma mulher dispensável, pelo contrário, exibia com benevolência as coxas torneadas, do alto de seu metro e setenta e cinco e meio, pois sempre fazia questão de frisar o “e meio”. Ela ali ficou, ladeando o rapaz, e lançando olhares que se transformaram de míseros olhares de soslaio, a secadas usurpadoras, cuja intenção se dava claramente àquele homem baixinho, de poucos cabelos e ainda assim despenteados, usando óculos largos e um leve ar de intelectual.

Nunes percebeu, assim que terminou a leitura do terceiro capítulo do livro que empunhava, que aquela mulher, que nem em sonhos não desejou, estava lhe encarando. “Talvez eu deva pedir se devo-lhe algo”, pensou, pessimista que era o Nunes. Não que de fato fosse areia suficiente para o caminhão de Marta, porém, quem entende as mulheres? E foi aí que uma ideia lhe veio à mente. Olhou a capa do livro que estava agora devolvendo à prateleira; “As mulheres gostam de apanhar”, pensou. Debruçou seu olhar de esguelha à Marta, que ainda o encarava tal qual o estivesse despindo ali mesmo. Nunes, antes de guardar o livro apontou para a capa do mesmo, e certificando-se que Marta ainda o mirava, a encarou e levantou levemente as sobrancelhas, como quem diz: “topas”?

Pé por pé veio Marta, debruçando-se sobre Nunes que estava sentado ali, em frente a estante dos contos/ crônicas. Marta enfiou-lhe o decote na face e quando Nunes quase estava asfixiado, ela perguntou:
- Então tu gosta de bater em mulher, não é?
Nunes viu aí a sua possibilidade de conquistar de fato a sem-vergonha. No papo Nunes era um garanhão incontrolável, ali ele comandava. Da forma mais charmosa que conseguiu, respondeu:
- Há situações em que o controle precisa ser rígido.

- E quais são elas?

- Quem me diz é você – Nunes mantinha o tom de voz mais alto que o de Marta, e engrossava a voz a cada sílaba pronunciada.

- E o que eu poderia dizer? - ela perguntou.
- Me peça para agir. - manifestou-se Nunes, sem pigarrear.
- Pois, aja.
Nunes pegou a bela morena pelo braço, com força, quase que arrastando-a pelo salão da livraria, afinal, era hora de mostrar o quão másculo ele era. Foi quando Marta lhe proferiu a frase que desde então assola os pensamentos de Nunes, os pensamentos e algo mais do nobre homem:
- Gosto de masoquismo, mas quem gosta de bater tem que gostar de sentir dor, topas? - ela sugeriu.
Nunes que nunca havia estado com uma mulher tão mulher, ou com um par de coxas tão par de coxas, ou ainda um com seios tão decotados, respondeu:
- Topo, por que não. ( sem alusões)

- Pois então me espere um minuto, que já volto.
Marta foi ao banheiro e Nunes aproveitou para deslisar pela livraria, contente e faceirinho, eis que resolveu analisar a prateleira de livros que Marta degustava antes de o encarar, e foi aí que tudo ficou claro e, ao final tudo escureceu. Nunes pegou na mão o exemplar que vira Marta devolvendo à estante, que com muita atenção reparou nas escritas: “GLS”, em seu topo. O livro, de capa ilustrada e colorida exibia como título: “Travestis bem dotados, também são mulheres”.
Nelson Rodrigues não habita mais a cabeceira da cama do Nunes, agora o carioca dá espaço a diversos livros de auto-ajuda ou de meditação, cujos títulos variam de: “Esqueça dores do passado” à “Medite para que a dor passe”. Tendo ainda espaço para anatomia, cujos títulos de origem retais não vem ao caso no momento.

2 comentários:

Marco H. Strauss disse...

Ah, muito bom! HAHAHAHAHA Dei muita risada. Parabéns!

Lara Reginato disse...

Muito bom mesmo!!!
Nem tudo é o qúe parece ser, isso que dá só prestar atenção nas coxas e nos seios..haueahue
Adorei amor.
Beijos, te amo lindo.