sábado, 6 de junho de 2009

O roubo do sofá

Capítulo 2
Rosmarie, Tia

Eis uma parte interessante da história, Tia Rosmarie. Abrirei um capítulo a parte para que tenhamos uma breve aula de conhecimentos gerais sobre a mesma.

Rosmarie Frederich, 89 anos, viúva. Grau de insanidade elevado, jura que era amiga intima do ditador alemão Adolf Hitler. Certo é que esteve presente na Segunda Guerra Mundial, sendo deportada logo após o seu final. Motivos alegados para a deportação: crimes de guerra.

O destino nos escolheu. Dentre todo o turismo pujante teixeirense, nós que estávamos ali, quando a histérica saiu porta a fora aos berros, portanto, nós fomos enviados por alguma força maior, para de alguma forma - ainda que seja difícil encontrar em nós alguma serventia – ajudar, a Tia Rosmarie, solucionar um crime hediondo, com proporções catastróficas, e dimensões assaz destrutivas, que era o roubo do sofá.

O sofá era conhecido pela praia, arrisco-me a dizer que por todo litoral, é difícil achar que não tenha ouvido falar no famoso, misterioso, emblemático e confortável, é bom que se diga que é confortável além de tudo, um sofá tem que ser confortável, sofá da Tia Rosmarie. Sem dicas de decoração, seguirei a narrativa. O sofá da Tia Rosmarie é lenda, e como toda a lenda, por trás dele há uma história, ai vai:

“Era 30 de abril de 1945, A Segunda Guerra ia chegando ao fim. Os japoneses dali há alguns dias se renderiam, e Hitler sabia disso. Estava exausto, a guerra o havia afetado por inteiro, sua sede por poder o havia obcecado, a morte era o caminho mais fácil. Ainda assim, mesmo estando no bancker providenciado por ele, para os momentos mais fatídicos, não esquecia da bela moça loira que conhecera há semanas atrás. Rosmarie.
O fim se aproximava, as coisas não iam bem, porém, eis que desce as escadas, ninguém menos que ela, a musa, a deusa, o xodó de Hitler, Tia Rosmarie, ou melhor, Rosmarie, até então, só Rosmarie.
Sentaram-se ao sofá, onde ao que se sabe, se amaram, e ali o fim ia chegando"...O sofá que após muitos acabaria por ser roubado em Arroio Teixeira.

As reticências que botei ao final da lenda, não estão ali por acaso. Não se tem a clara certeza do que de fato aconteceu, o que se sabe é que há um algo mais nessa história, e assim que o desvendarmos a solução do crime estará por vir.

Após acalmarmos a Tia Rosmarie, entramos em sua casa, e iniciamos a conversa...

Continua nos próximos capítulos

4 comentários:

Rodrigo "Pudim" Barbacovi disse...

hauhauahuahau
Mto bom...mto bom...
cada vez melhor!!!

Fredi_Bazzan disse...

Massa... começando a tomar corpo o teu crime... continua aqui que tô esperando. Parabens meu velho...

Lara disse...

Lindo, nem preciso dizer que a história ta cada vez melhor e causando cada vez mais ansiedade pelo final. Muito bom MESMO, amor. Beijão!

Guilherme "pitt" disse...

Assim kra... não me leva a mal...eu sei que eu não sou nenhum escritor renomado ou algo assim... mas não achei que ficou tão bom quanto o outro.
O texto tá bom e talz... mas assim, achei que faltou alguma coisa... talvez aquele final que deixa os telespectoblogleitores mais vorazes pro próximo post... ou talvez um pouco mais do desenrolar da história pra deixar um gostinho de "quero mais" aehauehaue...
Mas assim, tá legal, espero que essa minha critica seja construtiva... e sirva pra alguma coisa (não sei bem pra que).

E lembre-se... não faça que nem o Guilherme no seu blog... uaheuaheahueuahe

Adios indio véio

PS:Eu naum escrevo tão bem assim no meu blog ... auehuaehuaheuhae